3.4.13

Dia de Iemanjá

E eu choro
lágrimas de mar
salgadas nos poros
do paladar

Ninguém te quer
agora
meu amor
é só um tal de morreu
vai matar

Novos tempos

O Mar
já não é mais o mar
é a praia
pra bronzear
os vermes do tempo
na pele de arder
na tarde perdida
Os vermes do Sol!

Você é a cura
do meu calor
sempre a crescer

Volta pro mar
meu amor
não vá
esquecer-se disso
Volta pro mar!
Aqui vão
te perder
te roubar
te vender
Não conseguem
te enxergar

Vai, meu amor
volta pra lá
Volta pro Sol
que longe um dia
já foi seu lugar

Mas o Sol
é
longe
você vai ficar...

Não vai...
Não!
não venha pra cá

Fica!, Sereia
Volta pro Mar!

2 comentários:

  1. Jaqueline Lira00:06

    Parece que tem um eco de Dori nesse poema.

    ResponderExcluir
  2. "O eco de uma maré distante vem rastejando pela areia"

    ResponderExcluir