3.4.13

O fim do último homem

Os ossos estalam
o tempo passou
na escadaria
da casa velha
os vultos passam
na imaginação
envelhecida
da antiga canção
esquecida

E não há confidentes
E não há testemunhas
Não há vestígios de amor
e nem o ódio estremunha

Há o calor do frio
A esperança no Não
O copo fosco e vazio
Lenta e turva agitação

Fogo gelado no preto do Céu!

Até que
enfim
a pura Luz
na Escuridão

Nenhum comentário:

Postar um comentário