3.4.13

Sirena

Uma voz do futuro ecoa do mar
Nossos ouvidos estão abertos?
Os nossos olhos irão enxergar?
A Língua remota ressoa no ar

Quem fez o teu canto secreto?
Qual organismo impróprio de amar
fez do teu cimo a fronteira pro Inferno?
Foi o Mal, a polícia do espetro!

O Mal, o Uno somente
O Mal, Diverso somente
O Bem, Universo.
E o passo da gente está a errar

---------------x---------------

Nossos ouvidos estão abertos?
Os nossos olhos irão enxergar?

A Sirene berra nos ares eternos
desesperada, alma a penar
e de tão obscura apavora a gente

O grito maldito está a soar
nas ruas nas músicas no cais do porto!
Maldito porque espírito a chorar
roubado e trancado no mais rígido corpo
oculto da gente pela arte Enganar
a única arte cujo sentido é morto

Liberta-te, Sirene!
Liberta a Sereia!
Corta a peia atada à origem
e traz à gente o vosso gene!

Uma voz do futuro ecoa do mar
A Língua remota ressoa no ar...

Nenhum comentário:

Postar um comentário